17 de mai de 2017

Quando a gente se cansa de desejar...


Há coisas que a gente deseja, mas, com o passar do tempo,
quando se passa muito, muito tempo,
e a gente deseja tanto,
e tanto...
E não acontece,
a gente acaba se enjoando de desejar.
A gente não deixa de gostar,
     mas já não deseja mais.       
É porque a gente, então, se cansa.
                     E deixa de pedir, e de de se importar.                      
Perde a graça quando se pede muitas vezes algo 
que deveria ser espontâneo.
Mesmo que um dia aconteça, já não tem mais valor,
não tem mais graça...
A gente só não deixa de gostar porque aí seria pior ainda.
Ficaria um vazio, uma falta de chão,
ficaria sem vida...
     E isso dói mais do que se cansar. 


             Sueli Benko         

            ...         

6 de mar de 2017

Ando atrás de um sonho


Ando atrás de um sonho. 
Mas não de um sonho qualquer, pequeno, fácil e ser realizado.
Já realizei todos os que eu tinha 
e, agora, que me parece ter aprendido a caminhar até eles, 
procuro por algum deles, mas não consigo saber onde estão.
De que me adianta aprender a sonhar se os sonhos se foram?
Haverá algum lugar onde eu aprenda a criar um sonho, 
para depois jogá-lo bem longe e buscar o caminho para até ele chegar?
Então,meu único sonho, hoje, é o sonho de ter um sonho...
E esse é o sonho mais difícil que já me aconteceu.

(Sueli Benko)

,...

13 de fev de 2017

Como é bom...


Como é bom fechar os olhos e enxergar coisas bonitas, sentir a paz e a sensação de missão cumprida por ter chegado ao lugar certo.

Como é bom abrir os olhos e enxergar um caminho novo a percorrer que, apesar de desconhecido, proporciona-me a certeza de que o medo não virá.

Como é bom olhar a mochila e encontrar todas as ferramentas necessárias para destruir qualquer obstáculo que possa aparecer.

Como é bom olhar para essas ferramentas e me lembrar de que cada uma delas foi por mim esculpida nas pedras encontradas no caminho anterior.

Como é bom ter aprendido a amar a Vida e agora poder partir rumo ao desconhecido, até mesmo com os olhos fechados, se eu quiser, porque aprendi a enxergar com os olhos da alma e sei que é através dela que a Vida fala comigo.

Sueli Benko

...

 Um dia, uma de nós (já não me lembro mais quem fez a primeira visita) visitou o blog da outra. Mal sabíamos que ali estava nascendo uma grande amizade que iria mais tarde transpor os limites da virtualidade.
Fim de semana passado, tive a chance de revê-la pela terceira vez. Fiz uma viagem a trabalho para Recife, cidade onde ela reside e passei um dia e meio em sua casa.
Como sempre, fui muito bem acolhida por minha amiga-irmã e pela sua adorável família. Na foto, estamos  brindando a mais duas amigas blogueiras que temos em comum: http://bardaruiva.blogspot.com/ e http://majoli-rabiscosdaalma.blogspot.com/.
Clau reside num pedacinho do paraíso e eu quero aqui, agora, agradecer todo carinho e todos os bons momentos que me proporcionou neste fim de semana (gente, essa mulher cozinha para caramba!). Pois é, mais uma das amizades que a blogosfera me deu de presente e isso, gente, não tem preço!
  
Clau, eu amo você!!!

Esta é uma postagem de anos atrás, mas estou repostando hoje, por causa da saudade que estou sentindo dessa minha amada amiga-irmã!

Sueli

...

Mudar de idéia

“Triste não é mudar de ideia.
  Triste é não ter ideia para mudar.”

  (Francis Bacon)

Imagem: Gelila Metiti Mesfin


Tive uma educação muito rígida. Papai, um homem austero, conservador e inflexível, passou-me lições brilhantes, mas, ao mesmo tempo, exagerou um pouco na dose. Com o decorrer dos anos, fui descobrindo que a realidade é bem diferente de muitas coisas que me ensinaram. Aprendi que ao tomar uma decisão, esta não poderia ser mudada, pois, caso contrário, eu estaria demonstrando falta de personalidade. Foi difícil encarar que a coisa não é bem assim, aliás, não é nada assim. Tomo decisões baseadas nas minhas ideias e estas mudam dependendo do meu estado de espírito e das situações externas que se apresentam.

Como não cheguei neste mundo apenas para vegetar e dele sair sem nada ter aprendido, como posso desejar que minhas ideias sejam iguais em todos os dias de minha vida? Não, papai, o senhor não sabia que esta sua informação não era correta. Posso e dou-me o direito de mudar de ideia e voltar atrás em minhas decisões, tantas vezes quantas sentir vontade e não me sentir mal com isso, desde que essas decisões não envolvam terceiros, é óbvio. Falo das decisões que se refiram à minha própria pessoa.

Sempre é tempo de reconhecer um passo errado, dar meia volta e começar tudo de novo, por outro caminho. Sempre é tempo de não mais dar importância a alguma voz de outrora que eu tenha ouvido, e obedecido. Sempre é tempo de reconhecer que a pessoa que mais me machucava era a que mais me ensinava as lições necessárias e passar a respeitá-la ao invés de com ela ficar magoada. Sempre é tempo de não mais dar tanta importância às doces palavras que nada me acrescentavam. Sempre é tempo de me permitir não fazer algo que não tenha vontade num dia, independentemente de ter tido vontade ou não outrora.

Sem contar as coisas bem mais simples, como por exemplo: já odiei berinjela, hoje gosto muito. Já adorei música sertaneja, hoje detesto. Já detestei jazz, hoje adoro. Já gostei muito da boemia, hoje não troco o aconchego de minha cama por ela. Já acreditei que rezando, Deus ajuda, por isso, já rezei muito, mas hoje tenho certeza que a ajuda que ele poderia dar, já deu quando me enviou para cá e pronto (sei que esta afirmação pode dar muito pano para a manga, mas, perdoem-me, é a minha opinião, no momento). Já mudei tanto de opinião e de gosto, que, talvez, este “eu” que esteja aqui já não tenha mais a mesma personalidade mesmo, mas posso garantir que, graças à coragem de se abrir para novos conhecimentos e, muitas vezes, aceitá-los, é uma pessoa bem melhor do que já foi no passado.

Enfim, parafraseando Raul Seixas, "Prefiro ser uma metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo..."


Sueli Benko
(Escrito em 23/08/2008 - sem ter mudado de opinião, ainda, a respeito das palavras acima)

...

9 de jan de 2016

De tanto olhar para trás ...



De tanto olhar para trás, esqueceu-se de olhar para os lados,
enquanto caminhava.
Quando percebeu, já havia chegado ao seu destino,
mas, em sua bagagem, apenas longínquas recordações
e grandes espaços para armazenar o que não fora vivido.
Quis voltar, recolher lembranças perdidas,
mas, o caminho de volta, o tempo já havia destruído.

Sueli Benko

...

7 de set de 2015

Tarde chuvosa de segunda-feira



Sempre pedi um sofazinho confortável, um edredom, um pijama,

e muita paz numa tarde chuvosa e fria de segunda-feira.

Sempre soube que não trocaria isso por nada...

Hoje, os céus me atenderam e estou tendo tudo isso, mas...

... que droga de cabeça a minha!

Esqueci de pedir você para me fazer companhia.


(Sueli Benko)


...


13 de mai de 2015

Às vezes, busco-te...


Às vezes, procuro-te nos lugares mais incríveis,
na brisa ou no vento,
nos campos, nos mares.
no sol ou na chuva,
mesmo sabendo que tu não estarás.
Há um desejo secreto de buscar-te,
mas, nem sempre, o de te encontrar.
Pelo caminho, ainda sinto esperança
de ver felicidade em teus olhos
ao me vires por ali chegar.
Porém, caso te encontre,
talvez perceba a mesma indiferença
que tem se feito tão peculiar.
Então, pergunto-me
por que insisto na busca ...
E meu coração responde que,
apesar das dores e desatinos,
esperas infindas e destempêros, 
apesar de tudo que já fizestes,
Ele escolheu  te amar.

(Sueli Benko)

...

24 de abr de 2015

Envinho-me ...


Porque hoje é sexta, 
porque eu mereço, 
porque eu quero,
e porque eu posso!
Hoje, 
envinho-me ...


(Sueli Benko)


...

11 de abr de 2015

O que mais me feria foi o que me libertou


Refletindo sobre tudo que passei nos últimos anos, vejo-me obrigada a admitir que os momentos de felicidade foram inúmeros, mas foram as dores que fizeram todo esse tempo vivido ter realmente valido a pena. Precisei delas para aprender a me livrar delas. Precisei delas para descobrir a força escondida dentro de mim e para conhecer melhor as pessoas que me rodeavam. Precisei delas, enfim, para entender o quão efêmeras elas são, quando temos conhecimento disso, e que sem elas, não teríamos o contraste entre sofrimento e prazer, portanto, a felicidade não teria importância; talvez, nem a notássemos.

Refletindo mais um pouco, percebo que a natureza da dor tem algo a ver comigo. Ela também gosta de um desafio e, quando chega, encara-nos de frente. Somente um olhar duro e não menos desafiante consegue detê-la. E somente a persistência nessa "encarada" pode conseguir afastá-la. É claro que não estou falando das dores físicas, que um simples remédio pode curar, mas falo da dor do ego, esse a quem tanto valorizamos e que tanto nos deixa sofrer. Encarar uma dor é colocar o ego de castigo, é educá-lo, é saber dominá-lo e não deixar que ele nos domine. E... as dores estão aí para isso.


Um brinde de reconhecimento às minhas dores que se foram e às que provavelmente aparecerão, para que eu nunca me esqueça de valorizar e sentir plenamente a minha felicidade, que, na verdade, é a minha eterna essência, pois ela é feita de amor e o amor é o que conduz minha alma!


Sueli Benko
...

9 de abr de 2015

Contigo, mas sem ti ...


E então, finalmente, consegui ficar longe de ti. E, resistindo à voz que me diz para te esquecer, ainda respondo: “Esquecer por que? Não sou feita de vazios, sou movida a Amor.” E o que ainda sinto por ti alimenta minh'alma, pois esse é o verdadeiro Amor. Não aquele que outrora sentia: egoísta, condicional e carrasco. Aquilo que eu julgava ser amor era apenas o ego que me enganava e me torturava.  Transvestia-se de um sentimento puro, mas o verdadeiro estava abafado pela crença de que eu precisava de tua presença para ser feliz. Hoje sei que o que sinto me basta. O que sentes... diz respeito somente a ti. Seria bom demais, não nego, se teu amor por mim fosse baseado no respeito, mas não sabes o que é isso, infelizmente. Não sabes valorizar uma mulher de verdade. Apesar de tudo, seria muito pior para mim, se te esquecesse. Coração vazio não me sustenta. Eu te prefiro longe do que ter perto de mim as tuas inconsequências. Mas, não fui eu que te escolhi. Foi minh'alma. E ela te quer mesmo assim. Ela não fala a língua dos homens. Ela apenas conhece a linguagem do verdadeiro amor. Fique com teu harém. Eu fico só contigo, bem cá dentro do meu coração, mas não mais na tua cama. 

Sueli Benko

..

Voltando ...



Duas amigas brindaram-me com a decisão de voltar à Blogosfera: Sandrinha e Maria Claudete. E é para elas que dedico o post de hoje.

Como eu, também haviam deixado a blogosfera de lado e, ao mesmo tempo, tomaram a decisão de voltar. Já há alguns dias, tenho pensado nisso. Aproveitei a deixa e estou aqui. Essas minhas duas amigas, fazem parte de um tesouro que possuo e que encontrei através do meu blog. A amizade que temos é sublime. Do virtual, passamos ao real. Já nos encontramos por diversas vezes e a amizade cada vez fortifica-se mais.

Claro que meu blog apresentou-me a outras grandes amigas e, um dia, falarei delas, mas hoje estou referindo-me a essas duas criaturinhas maravilhosas, pois devo a elas a decisão de voltar.

A saudade que sinto daqueles tempos é imensa! Apesar de que quem está aqui hoje não é a mesma Sueli de outrora. Muita água já rolou nesses meus anos de ausência e nem sei do que sou capaz de escrever, agora. Sempre achei que a tristeza inspirava-me mais. Não tenho sabido o que é ficar triste já por um bom tempo, então, voltar a escrever será um novo desafio para mim.

Cá estou, eu e minha taça de vinho, porque hoje é quinta, véspera de sexta, e tenho algo para comemorar: minha volta à Blogosfera!

(Espero que minhas amigas levem a sério o que estão se propondo a fazer, também! ... rs)

Tin Tin!


Sueli Benko

...

6 de out de 2014

Então, você vem ...


Então, você vem ...
e me encosta
e  me enlaça
e me abraça
e me afaga
e me faz
    tão feliz...

(Sueli Benko)

...

3 de jul de 2014

Quando o fim demora a chegar


Existem livros tão longos e tão cheio de histórias repetitivas 
que não acabam mais...
Às vezes, dá vontade de pular capítulos e conhecer o fim da história, 
para ver se vale a pena continuar lendo, 
ou então, fechar o livro, guardá-lo e nunca mais pegá-lo, 
deixando que a imaginação invente a sequência
 e, inclusive, o fim.

(Sueli Benko)

...

9 de jun de 2014

Danço somente a música que eu gostar ...


Tem gente que dança conforme a música.

Eu danço conforme meu estado de espírito,
 pois, se da música que estiver tocando eu não gostar, 
tampo os meus ouvidos, 
e meu coração fará soar a música que quero ouvir ... 
... e a dançarei, então.

(Sueli Benko)

...

19 de mai de 2014

Ei, acorde!


“Você, que não concorda com o que eu penso, com o que eu digo ou com o que eu faço, com certeza, dar-me ia razão se conseguisse lembrar-se de quem você era antes do mundo determinar quem você deveria ser ...”

Ei! Acorde!

...

Sueli Benko

1 de mar de 2014

Águas de março


Certa vez, pedi às águas de março que chegassem logo
para lavar minhas mágoas, minha saudade, minha desilusão.
Hoje , espero ansiosa por elas,
mas, para que abençoe este amor que invade
minha vida, minha alma, meu coração.
Este amor que não é fogo, posto não se apagar,
que não é água, posto a deliciosa sensação de queimar,
que não é ar, pois o fôlego, insiste em me arrancar.
Águas de março, vem e arranca-me todas as pretensões,
todas as expectativas,
todos as esperanças,
todo o amanhã que eu possa imaginar.
Águas de março, só não leve o meu hoje,
pois é lá que meu amor sempre haverá de estar.

(Sueli Benko)

22 de fev de 2014

Diploma de Burra

Amigos que passam a lhe ignorar quando arrumam algum outro interesse...


Aí, um dia ele reaparece, você esquece tudo e volta a ser amiga dele. Então, ele arruma outro interesse e vira-lhe as costas novamente...

Na primeira vez, a mancada pode ter sido dele, mas na segunda, quando você já sabia que ele “não está nem aí para um amigo”... Quem deu mancada com você, foi você mesmo.

Agora, se isso acontecer uma terceira vez... 
Ahhhhh... esquece, nem vou dizer nada, vou apenas lhe enviar um diploma de “burra”! ... ou, quem sabe, uma “carroça”, de presente.