6 de dez de 2009

DO FUNDO DO BAÚ...

Hoje vou me vestir de branco ...
Hoje vou me vestir de paz ...
Mais um degrau, de contorno impossível,
Destas andanças, o mais difícil até então.
Se quiser, hoje, olhar para ele,
terei, sim, de olhar para trás.

O esvair da água que mataria a sede
O roubo do alimento que mataria a fome
O descobrir do imaginário oásis
Assim é o inexplicável ir embora
Um vir e não ficar, por razões que ainda não sei...

Mas da dor surge o milagre,
Um passo afoito de coragem andando
Fome se foi
Sede secou
Paz está chegando...
...

12 comentários:

Elaine Barnes disse...

Belíssimo amiga, qdo o luto vai embora, a auto estima vem chegando,a carência sanando e o branco já anunciando a paz! Lindo de viver! Obrigada por partilhar esse momento tão importante pra mim. Espero que tenha gostado de se ver linkada na árvore bloguealógica e dos selos tb.Foi a maneira de retribuir as pessoas que sigo e que me seguem tb. Obrigada e volte sempre! Grande abraço e um montão de bjs

Maria disse...

Lindo post, poema que nos ajuda a pensar.



:)) DOCE CARINHO

ricardo blauth disse...

alo AMIGA

sintonia
é ler o pue se pensa
pensou
ou sabe que pensará

sintonia é ver
que o que passou
é prenuncio
do que virá

sintonia é saber
que energias fluem
mesmo sem palavras
nem sons

sintonias é sentir
algo bom
conosco sempre

RICARDO garopaba BLAUTH

Haroldo disse...

Eis que chegou a Paz!
Se veio de branco,
foi por simples coincidência...
Teus degraus são para o além,
mas não para a ausência.
Eis que se fez o milagre!
O ato famélico se tornou vão,
pois a fome e a sede são da alma.
Sois de Paz!
Tens o sorriso!
Não existe mais solidão!
És a Paz e não existe mais o adeus!...
A Paz já chegou!

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Oi,lindo seu poema. E já que seu blog se chama FENIXANDO,veja que bela coincidência. Tenho esse poema desde os 20 anos. Eu também ando fenixando por aí.É necessário.
///
FÊNIX

Sou eterno!
Não há derrota ou sofrimento que me impeçam de viver mais um momento.
Noutro instante me torno gigante.
Quando tudo estava perdido e eu estava caído, ressurgi.
Levantei e venci!
Quando me sentia afogando dei mais uma braçada e pisei firme em terra.
Quando mostrava estar mudo soltei com força meu grito de guerra.
Se um dia tive medo
no seguinte fui pra batalha, não temia escuro, nem represália.
Se às vezes, fui fogo de palha,
noutras incendiei o mundo com meu calor.
Se às vezes fui pequeno como gota d’água,
noutras saí inundando de ânimo, esperança e amor.
Se num momento fui grão de areia, uma coisa feia ou estranha,
noutro fui uma bela e imponente montanha.
Sou assim!
Renasço, ressurjo, reacendo!
Quando eu parecia oco, uma casa vazia, eu estava cheio...transbordando de poesia

NOTA: Fênix era um pássaro mitológico que renascia das próprias cinzas. A diferença é que eu não sou um mito. Sou real .


CARLOS SOARES DE OLIVEIRA

Analu disse...

Ficas linda de branco! E em PAZ, é o que a gente mais quer estar. Mas.... te digo do fundo do coração, prefiro o vermelho, o laranja (nós duas temos uma blusa desta cor, lembra?), prefiro a paixão, o salto alto, a meia fina e... muito romance no ar!!!!! Sebastian adorou o sucesso e mandou dizer que agora é garçom exclusivo. Eu já disse que amo este mundo? Pois é... e te amo demais da conta amiga-irmã-comadre!! Bjão

claudete disse...

Paz buscada
paz encontrada
Em Paz com o passado
Em Paz com o presente
Vias percorridas
Verdades aprendidas
Anseios resguardados
Anseios esperados
Paz de todas as cores
Paz nas dores
Paz dos grandes amores.

Poetei porque te vejo como Fênix , renascendo e se encontrando com a Felicidade .
Estás maravilhosa amiga!
beijos nos coração, Claudete

Eduardo Cseny disse...

Navegando pela internet, me deparei com teu blog. Gostei!
Lindos poemas e escritos.
Voltarei sempre!
Tendo um tempinho, dê um "pulinho" lá no meu espaço.
Lá trato de assuntos que tanto afetam nosso mundão abrasileirado.
Serás sempre bem vinda!
Um abraço!
Boa semana!

Geisa Machado disse...

Adorei este poema!
Ele é o próprio "fenixar", ressurgir das cinzas.
Segurar-se em uma dor é torturar-se, mas quando a gente deixa ela passar, aí sim estamos prontos para "vestir-se de paz".
Bjusss

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Parabéns, Fênix.Que todos os corações se vistam de branco.Beijos

Elcio disse...

Um brinde aa esperança.

É isso aí.

Bjs e otimo fds