13 de dez de 2009

Chuva e vento


A chuva devia estar zangada ontem. Chegou fazendo muito barulho e trazendo consigo um vento tão forte como eu não me lembro de já ter visto algum dia. Na verdade, não sei se estava zangada ou eufórica, pois quando estamos muito felizes também costumamos fazer alarde. O vento... ah, o vento cantava em minha janela. Gravei seu canto, mas perguntei-me se seria um canto de felicidade ou de dor. Às vezes também cantamos nos nossos momentos tristes.

Sei que corri e peguei a câmera para filmar o chacoalhar desesperado dos galhos das árvores que estão em frente ao meu apartamento. É verdade que com essa euforia toda eles acabaram por prejudicar muitas pessoas. Amanheci com a notícia de um ciclone no Rio Grande do Sul e um número grande de desabrigados. (corri ligar para Ana Luiza, mas ela não me atendia). Esta é a parte ruim, reconheço, mas chuva, vento, raios e trovões exercem um fascínio sobre mim. Há muito tempo atrás, alguém me disse “Você precisa reconciliar-se com a chuva...”. Não entendi muito bem, na época, pois eu não havia brigado com ela (rs), mas o fato de eu ficar triste nos dias que amanhecia chovendo, culpá-la pelos desconfortos de um dia chuvoso e chamá-la de estraga prazeres, com certeza colocava-me como sua inimiga. Resolvi seguir o conselho e determinei a mim mesma que iria começar a gostar da chuva. Eu me obedeci e nunca mais reclamei de sua chegada. Muito pelo contrário, passei a saudá-la e a lhe dar as boas vindas ... sempre (mesmo que eu esteja na praia, branca como leite, precisando me bronzear...rs).

Sei que é difícil para alguém acreditar, mas sinto-me protegida por ela e tenho absoluta certeza que há um elo entre nós. Ela me ouve e me respeita, assim como eu a ela. Incontáveis são as vezes que durante uma tempestade ela faz uma pausa para eu passar ... Na verdade, desde que nos tornamos grandes amigas, nunca mais tive problemas com ela. Mas isso não é prerrogativa minha. Se alguém se dispuser a experimentar uma reconciliação com ela, venha me contar depois. Vale a pena.

Boa chuva, digo, bom domingo para vocês, meus queridos!

...

10 comentários:

Olavo disse...

Pois o domigo foi de muita chuva mesmo..Boa essa de fazer a s pazes com ela rs..
Boa semana
Bjs

Bill Falcão disse...

Vou tentar seguir seu conselho, Su! O problema é que moro no Centro, um movimento danado e ainda tenho um cachorro peludo que adora passear!
Vamos ver se ele me ajuda!
Bjoooooo!!!!!!!!!

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Bonito,Sueli.Gostei dessa relação da chuva, do vento, com nossos sentimentos e momentos.É por aí mesmo.parabéns.Beijos

Ana Luiza F. disse...

Amore, já me expliquei né? Já te disse que não ouvi o telefone e tb dei noticias de que por aqui estava td bem e que o lamentável estrago foi em outros lugares... só não falei do tanto que amo teu cuidado e tua preocupação com aqueles que estão no teu coração. Obrigada!!! William é que me avisou que tinhas deixado recado no orkut...rs. Bem, quanto à chuva: nem sei porque as coisas ainda me assombram, pq depois de tudo já não deveriam causar surpresa. Sabes que um dia, alguém tb me falou pra não temer a chuva e que admirando-a mu temor passaria. Hoje, ela não me assusta mais e consigo ver beleza no momento (claro, que respeitando o lado ruim da coisa toda). E sea chuva te saudou... é porque mereces. Bj enorme minha linda.

claudete disse...

É amiga enquanto aí chove a cântaros aqui o sol se faz forte, o clima de calor sufocante, ainda bem, que mor aqui em cima e é tudo mais ameno. Mas sábado fui a uma festa em maria farinha (praia do lioral norte) já viu né? a amarelinha aqui se deu mal,muito sol , muita farra ( que nem pude fazer) e se não fosse uma pousada disponível tinha ficado na pior, rs, bateu uma forte enxaqueca . Mas hoje ao ler o post da Analu, tudo passou ,gargalhei demais. Beijos nesta mente luz e fico feliz com tua felicidade. Amo a chuva viu?

Maria disse...

Sueli,
linda a tua forma de falar com a chuva.
Eu desde pequena que amo passear á chuva, principalmente na praia, depois tomar um benho bem quente, ficar na cama quentinha, vendo a chuva cair batendo nos vidros da janela...enquanto viajo em meus pensamentos...

:)) Doce Abraço

Teresa disse...

Sueli
Gostei muito do seu texto e da forma como personaliza a chuva. Gostei do que li, mas... continuo a não gostar de chuva, desculpem!
Bjs

JuJu disse...

Parece que essa sua amizade com a chuva lhe rendeu bons frutos mesmo. Talvez seja isso que falta ao ser humano: entender e se afeiçoar às forças da natureza...
Passe lá no meu blog e deixe seu comentário!!!

Haroldo disse...

Tudo bem...
Teu domínio é fascinante!
Perguntei a cada um dos pingos da chuva e todos, sem excessao, responderam que a conheciam e respeitavam, e alguns até se referiram a voce como mae!
Sois unica, Sueli!
Bjs!

Anônimo disse...

queria que no haiti nao ouve se mais chuva nem tsunami nem sismo nem no chile nem na madeira