8 de out de 2009

Diálogo no trânsito


Ultimamente, o único tempo que disponho para escrever é este, no carro, enfrentando um congestionamento. Eu poderia ter dito o “tempo que perco” no trânsito parado, mas há tempos descobri que não é tempo perdido, não. Sem sido o único que me permite bater papo comigo mesma. Aliás, desde que comecei a fazer isso, tenho me divertido muito. Estão pensando que fiquei louca? .. Não, loucura era ignorar-me. Ignorância total, não saber ouvir-me. Eu até já falava comigo mesma, mas nunca havia prestado atenção nas respostas. Era um monólogo.

Agora aprendi a conversar com minha mente (que de certo modo não deixa de ser eu também). Está certo que ela, muitas vezes, mente para mim, mas não é por maldade. Acontece que ela é manipulável, acredita em tudo que lhe contam e vem correndo me contar. E vem de uma forma tão convincente que, como eu sempre soube ouvi-la, mas nunca soube entendê-la, sempre acabava caindo feito patinho em suas fantasias.... (e como a danada fantasiava, viu...rs)

Tenho usado meus momentos “ganhos” no trânsito para conhecê-la melhor. Não só para conhecê-la, mas para conquistá-la e convencê-la a jogar no meu time. Preciso que ela acredite somente em mim e deixe de ouvir o resto do mundo. Tenho dito a ela que nem sempre o que é bom para o mundo é bom para nós, como também nem sempre o que é errado para o mundo é errado para nós também...

Aaaah!... o trânsito começou a fluir e sei que deste trecho para frente costuma ser livre.

Até o próximo .... congestionamento!
Su
...

9 comentários:

Amigao disse...

Você é de Sampa? Nesse caso dá até pra fazer uma analise, um tratamento intensivo bem no meio do transito.
Bom dia!

Satya disse...

Eu não tenho o mesmo problema, porque sequer dirijo, mas há tempos concordo que tempo "em espera" é tempo de criatividade.

claudete disse...

Estás vendo? isto se chama a "sensatez do insensato" , rsrsrsrs é trocadilho mesmo. Contando estou eu os momentos de beber nesta fonte de sabedoria. Aqui , no meu "muquife" respiramos ar puro e exercitamos o silêncio , quando necessário .
Espero que consigas, bjs.
Clau

Ana Elizabete disse...

Demorei, mas cheguei!
Mente que mente... rs
Já sabia dessa sua paixão por congestionamnentos. então só posso ficar na torcida pra que venham muitos outros (rs), já que com eles aparecem textos bons e sábios como esse...
Essa de falar sozinho não é nada. Sempre fiz isso, mas de uns tempos pra cá ando fazendo com muita frequência e na maioria das vezes eu e o meu EU não estamos entrando em acordo... Passamo a maior parte do tempo discutindo "relação", pode uma coisa dessa?! rs
Beijos e desculpa a ausência, mas não tenho me sentido bem esses dias.

Aninha

Haroldo disse...

...quando o trânsito pára, preste atenção ao retrovisor interno...
Tem alguém ali, querendo que você ouça as suas respostas...
Pode sorrir...
Bjs!

Ana Luiza F. disse...

Bem.... bem.... esse papo com a tua mente, confesso que ouvi pouco no telefone. Preciso saber um pouco mais sobre isso, amore. Porém de uma coisa eu tenho certeza: uma conversa tua, com quem quer que seja, é algo pra gente ficar ouvindo e aprendendo. Boa viagem e já sabe..... quero fooooooooooooooooto!!! Abraços mil, dêem por mim. Te amo.

CÓDIGO DUMONT disse...

Este exercício de falar consigo eu já conhecia há muito. Fui filha unica durante 20 anos. Passei aqui pra te visitar e me deparei com voce ainda mais madura, mais consciente da tua grandeza de ser mulher. Agradeço- te por ter visitado o chacomlivros(GINA) e vou te seguir no twitter.
Um abraço forte da amiga Vivian.

JuJu disse...

Então, viva os congestionamentos!!!
...
Passe lá no meu blog e deixe seu comentário!!!

Sonia Pallone disse...

Bem, estou livre de trânsito desde que moro em Atibaia, mas quando morei em SP, muitas vezes chorei de raiva, me sentindo presa num trânsito caótico e massacrante. Lendo você agora, penso que perdi muito tempo alimentando meu lado impaciente, poderia ter feito o que vc fez... de um limão, a limonada! Bjs lindona.