17 de jun de 2012

Minha Casa



Minha casa é como um palco, ora iluminado, ora não. Nela, muitos espetáculos já estiveram em cartaz. Alguns por muito tempo, outros em única apresentação. Geralmente participo de todos. Ora como produtora, ora como cenógrafa, figurinista, diretora ou assistente do diretor. Já fui roteirista e, confesso ter gostado muito dessa função. Mas, também por muitas e muitas vezes, fui atriz, tanto coadjuvante, como a heroína da história. Já fui a mocinha e, pasmem, também já fui a vilã. Sem contar as vezes em que fiquei na platéia, apenas assistindo ... como crítica ou mera expectadora.

Sem querer desviar do assunto principal, que é o palco, digo, a casa, expliquei tudo isso para melhor poder me fazer entender. Não querendo parodiar Silvio Caldas, mas, se "a vida é um palco iluminado...", então minha casa é minha vida. É onde nascem os meus roteiros. É onde paro, reflito e me inspiro. As paredes do meu quarto tenho-as como minhas testemunhas e quantas histórias elas têm pra contar... É lá que lavo minha alma, choro minhas perdas e também minha saudade. Mas, belas histórias de amor, certamente gostaram de testemunhar.

Gosto, de percorrer minha casa quando me encontro só; gosto de observar cada detalhe, cada quarto, cada canto. Parece que ela se alegra e demonstra de mim  gostar. Sinto-me acolhida, protegida e tranquila quando estou nos braços do meu lar. Cada peça que encontro pelo caminho, traz-me uma boa recordação. Somente boa, porque o que não me lembrar de algo bom, lá dentro não deixo ficar.

Na cozinha de minha casa faço brincando aquilo que mais gosto de fazer: cozinhar. Assim como nas coisas da vida, na minha comida, adoro inventar ingredientes, escolher temperos e temperaturas (frias ou quentes). Adoro criar, copiar ou apenas imaginar. O prazer do sucesso ao sentir que acertei mais uma vez é indescritível. Minha cozinha sempre foi testemunha de momentos felizes, de realização. Talvez, seja o local onde, mais vezes, me senti realizada.

É claro que minha casa também já foi testemunha das dores do meu aprendizado, mas sempre aguentou firme e, paciente, nunca perdeu a esperança de ver meu sorriso voltar.

Um dos momentos mais felizes de todos os meus dias é aquele em que chego da rua e abro a porta do meu lar. Vejo que seu aconchego está ali me esperando e, carinhoso, parece dizer: que bom que chegou, seja muito bem vinda! Entre, descanse, estou aqui pra lhe proteger. Você nunca estará só; sou seu chão, seu teto e, ao contrário de muitos, estarei sempre aqui a lhe esperar.

Sueli Benko

...

11 comentários:

Claudia Benko disse...

Que lindas palavras Su, foi emocionante ler e saber que é exatamente assim...

Sueli disse...

Claudia Benko, minha casa reclama por sua presença. Beijocas da Mamãe.

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Retorno, para desejar um aconchegante domingo, encontrando uma aprazível texto sobre o quanto um lar é importante em nossas vidas.
A casa, é tudo mesmo que aí está descrito.

Gostoso domingo, então, Sueli, neste seu doce lar...

beijinhos,
da Lúcia

Marilu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marilu disse...

Querida amiga, que texto mais lindo e emocionante, concordo com você nada no mundo se compara a nossa casa, podemos estar no mais luxuoso hotel, mas sentimos falta do aconchego do nosso travesseiro, daquele nosso pijaminha velhinho que é uma delícia para dormir (eu gosto muito rs). Eu também sempre tive uma cumplicidade muito grande com a minha casa, a Roberta adora ficar em casa, no sofá dela, com o computador dela, ela é extremamente territorialista. Querida espero que tua casa sempre te acolha de braços abertos, seja seu refúgio e teu aconchego, e que você seja muito feliz nesse novo lar. Adolocê. Beijocas

Majoli disse...

Su amada, assim que me sinto em minha casa, que prefiro até chamar de "meu lar".
Ao te ler, fui me sentindo dentro de cada palavra.
Um jeito tão gostoso esse seu, amo!!

Deixo aqui um beijo grande, cheio de saudades e de carinho.
Te amo, viu?

claudete disse...

Amiga lendo teu texto te encontrei nos mínimos detalhes, sabe porque somente agora te revelas através dela? cada cômodo , cada peça de decoração, cada utensílio representam o teu reflexo interior por inteiro. Lá fora vestimos "roupagens" de acordo com as circunstâncias, na casa que construimos sem interferências e para onde voltamos ao fim do dia, nos despimos e nos integramos ao que somos na verdade. Você é uma felizarda! A tua casa foi motivo de observaçõ de Ana Laíse, que amou e falou:"mãe a gente sente o carinho e o zelo da Sueli em tudo que ela dispõe em cada canto da casa"-Beijos Su! Belo texto.

Sandra Botelho disse...

ossas casas tem tudo de nós...E a sua amiga, tem cor, tem vida, tem amor, tem alegria, tem acolhimento...Tudo isso que você colocou nela. Porque são qualidades que estão no seu coração. Bjos amiga , te amo

Juliêta Barbosa disse...

Sueli,

Costumo dizer que a minha casa é a minha pátria de intimidades. Também já escrevi sobre ela, tanto no passado quanto no presente: é que, no momento, estou em processo de despedidas.

Ah, minha amiga, sempre fica um rasto de saudades por esses caminhos que percorremos...

Gostei muito das suas palavras, pois denotam que há muita vida no seu lar. Parabéns!

Severa Cabral(escritora) disse...

Minha querida !!!!!
Sempre que te visito,encontro um ema importante e reflexivo.Esse de hoje me faz recordar como é gostoso o aconchego do nosso lar.Todos os dias saio de casa para o trabalho.Mas na hora de voltar para casa,penso e sei que é a melhor hora da minha vida...
bjsssssssssss

Severa Cabral(escritora) disse...

Passando para deixar um beijo de boa noite e desejos de um São João de paz
bjssssssssssssssssss