25 de fev de 2009

Trote estudantil


Primeiramente peço desculpas pela defasagem do assunto, mas eu já havia começado a preparar este post e não tive tempo de terminá-lo durante estes dias todos. Faço, no entanto, questão de deixar aqui registrada a minha revolta com essa barbárie chamada de “trote estudantil”.

Não sei se é ignorância minha, mas, por mais que eu tente entender, por mais que eu busque um pequeno motivo para que isso aconteça aos alunos, justamente no momento em que estes deveriam estar recebendo um prêmio, não consigo encontrar nada; nada que justifique a aplicação dessa pena, dessa ridícula e inconcebível brincadeira de mau gosto (pelo menos, na minha opinião).

Também não entendo porque os próprios alunos aceitam. Eu não aceitei. Recusei-me a participar e “ai” de quem me encostasse a mão! Sei lá, eles me respeitaram, não passei por essa humilhação (meu filho, também não – às custas de faltar uma ou duas semanas à aula, mas eu o aplaudi e tenho certeza que ele jamais participará de um ato bárbaro desses, nem passiva e nem ativamente).

Alguém pode me explicar ONDE ESTÁ a graça? Qual é o tipo de satisfação que se tem ao submeter um colega a essas humilhações e, muitas vezes, agressões físicas? Agressões estas que já levaram não sei quantos alunos ao hospital? Ou até mesmo à morte, como foi o caso daquele rapaz que faleceu afogado na piscina da USP, vítima de um trote estudantil, há alguns anos atrás??? Este ano chegaram ao cúmulo de jogar ácido nos corpos de alguns deles? Será que algum dia não terão a idéia de praticar roleta russa também????

Gente, que civilização é esta??? Alguém pode me explicar?

Tudo bem que resolveram criar uma lei para regularizar o trote. Já é alguma coisa. Mas, na verdade, ainda não é o suficiente, pois trote deveria ser proibido em qualquer seguimento (não, regularizado). Não entendo muito de lei, mas penso que essa “brincadeira” fere a dos direitos humanos. Ninguém pode ser obrigado a nada, nem a fazer caridade. Convidar os alunos a doar sangue, visitar doentes nos hospitais, etc. é muito digno e muito bonito, desde que seja um ato “voluntário”, mas nem isso posso aceitar que seja imposto a alguém.

Bem, pessoal, é isso aí que eu precisava botar para fora.

Sueli Benko

12 comentários:

meus instantes e momentos disse...

Mon Dieu...! é isso.
.
.
obrigado pela visita, e não existe defasagem nesse assunto, pelo contrario. qto mais se falar mais se alerta. Eu estudei e me formei na PUC/RJ, teve trote, mas nunca essa bossalidade atual.
Maurizio

Aninha disse...

Viva!! (rs)
Não está defasado nada... É muito pertinente. Trote não tem graça alguma e nem tem uma finalidade estabelecida.
Graça a Deus na minha época de graduação (entrei em 2002) não tinha isso na UFCG...
Meu irmão vou vitima de trote na época que entrou na universidade... Felizmente "só teve" a camisa rasgada e uma grande desavença com o organizador do “maldito” trote (até hoje não fala com ele...).

Mudando de assunto...

Escutei sim Bethânia (Bom dia triteza... Tempo tempo tempo tempo... etc.. rsrs). Que bom q você gostou na nova roupagem do blog. Pensei em vc quando coloquei a foto.

Beijo grandão! e saudade docê!

Patricia Alessandra disse...

Su, muito oportuno o tema. Aqui nas Universidades gaúchas são bem comuns esses trotes, mas sempre é bom reforçar que é de muito mau gosto e que não leva a lugar algum. Também levanto essa bandeira. Bjs, Pati.

Majoli disse...

Estou contigo nessa querida, realmente revoltante.
Quando entrei na faculdade, não sei se por ser uma faculdade Salesiana, não passei por esse tipo de trote, graças a Deus.
Mas fico indignada com tudo o que vejo.
Amei seu texto amiga.
Beijos no coração.

maria claudete disse...

oi amiga querida, claro que este assunto não está defasado coisa nenhuma! fez muito bem em voltar a focá-lo. Sabe Su, eu , na minha época , vinda do interior brabo e ainda por cima por ter passado em primeiro lugar no vestibular , ingênua que era fui submetida ao bendito trote, e até hoje guardo as sequelas no cabelinho, a cor mudou até hoje, pois foi derramado nos cabelos louros, azul de metileno e fucsina , e ainda tive que beber uma mistura amarela em um urinol do tamamnho do mundo, o melhor , fui fotografada assim e estampada na primeira página dos jornais. Tive que cortar os cabelos quase zero e a cor nunca mais foi a mesma. Quando vejo estes fatos percebo que nada mudou pode ser que agora com a regulamentação as pessoas se "desjumentalizem ". Abração.

Kall disse...

Flor enfim voltei das ferias...vim correndo te ler e te dar um beijo.
Otimo fds.
Bjão...saudades.

Anônimo disse...

Su... seu espaço é lindo!
Sua amizade... q presente!
Obrigada por me aceitar a partilhar aqui do seu Blogger... e do aprendizado.
Aqui no interior de Minas, Juiz de Fora, muitas faculdades já aboliram esse tipo de trote - Graças a Deus, pq isso é de um absurdo completo -, mas infelizmente ainda temos uma ou outra que realiza esse modelito sim. E como ainda se vê vestibulandos q 'aceitam' essa coisa, só podemos lamentar que alguns movimentos persistam com o endosso (se não tivessem, certamente já estariam aplicando o trote social com alimentos não perecíveis e doação de sangue, que substitui os ridículos pela cidadania).
Um bj enorme... sucesso!
Regina Márcia - Juiz de Fora-MG.

Ana Luiza F. disse...

Amore!!! O post não poderia ser mais oportuno. Acho que tudo que se falar ainda é pouco. Lembro que na minha época, os trotes não iam além das pinturas e eu tb não permiti que me pintassem.Depois, veterana, nunca participei dos trotes por achar sem graça. E concordo contigo: os calouros deveriam ouvir aplausos, receber premios pela conquista e não isso que se vê. E olhe que nem estou falando dos crimes, porque aí será outra história. Bem... obrigada, pelo telefonema carinhoso e votos de saúde. Hoje passo rapidinho só pra dizer que voltei. Amanhã leio cada um dos post's que não li e não comentei. Preciso fazer tudo com muita calma agora. É bom estar de volta. Bj enorme, amore mio - abraços de garagem, de aeroporto, de chegada e de Revellion!

Kiara Guedes disse...

Ai amiga, que defasado nunca estará assuntos desse tipo, e outra que achei ótimo que vc tocou num ponto que as pessoas esquecem: quem aceita. não é colocar a culpa e sim fazer a indagação, pq tudo o q acontece com a gente é pq nos permitimos, é ou não é?...
Beijos e uma ótima semana!!!!!

Bill Falcão disse...

Assino embaixo, Su!
Isso é um crime e os tais "veteranos" deviam ser presos e processados!
Bjoooooooooo!!!!!!!!!!!!

Haroldo disse...

Isso eh um trote????

Sueli disse...

Sim, Haroldo, é. Pelo menos, deve ser, pois tirei essa imagem de um jornal, numa repostagem sobre o trote... Obrigada por vir até aqui. Beijão!