22 de out de 2012

La Zingarah


Hoje, tenho uma historinha para contar: 
Um dia, perguntei aqui se alguém se lembrava do Blog “La Zingarah”, pois eu gostaria de saber do paradeiro de sua dona, cujo pseudônimo era o próprio nome do Blog, “La Zingarah” e que escrevia divinamente, mas que um dia, de repente, não mais que de repente, havia desaparecido. 
Algumas pessoas se lembraram, mas ninguém sabia de seu paradeiro. Qual não foi minha surpresa, quando tempos depois, recebi um e-mail da própria, dizendo que havia localizado meu post por acaso e estava surpresa com tudo que leu... Sabemos que nada acontece por acaso e, desde então, nasceu uma amizade maravilhosa entre nós. Eu a conheci pessoalmente e vivo desfrutando de sua sabedoria. Tenho aprendido muito com ela. Márcia (seu nome verdadeiro), que tem uma filosofia de vida muito semelhante à minha, é uma pessoa maravilhosa, assim como as coisas que escreve. Identifico-me muito com seus escritos. Semana passada, ela me enviou algo que descreveu exatamente o meu estado de espírito:




“Vontade de sair andando na manhã... caminhar sem pressa, o mar de um lado e a terra do outro, até que não haja mais mar e nem haja mais terra, até que não haja mais “eu”... só o grito das gaivotas e o ar salgado brincando com a espuma branca na areia... até que o tempo se dissolva na palma da mão e o silêncio seja o zumbido das abelhas. Vontade de um sol que acaricie as coisas e uma chuva mansa que faça abrir as sementes do que tem que ser.Vontade de ir, sem pensar em voltar. Vontade de chegar naquilo que me espera, balizas de luz na barra do porto em noite de temporal. Vontade das palavras certas. Faz tanto tempo, que quase esqueci o rumo de mim. É essa manhã, que me chama a caminhar, e me acena com mãos suaves que mal posso segurar. Mal posso me segurar, meu lugar é lugar nenhum, é o lugar onde todas as coisas repousam no coração.”

La Zingarah

...


4 de out de 2012

Comemorando...



“E quando ouvi tua voz ao telefone dizendo “cheguei!”, esqueci-me de todas as promessas que fiz a mim, ao mundo e a ti, esqueci todas aquelas de não te querer mais. Uma simples palavra “cheguei!” fez-me correr ao teu encontro e, mais uma vez, prometer que, na próxima vez, não te perdoarei... exatamente assim, como sempre digo. Um champanhe a umedecer sussurros entrecortados, onde fiz dos teus lábios minha taça e dos meus fizeste a tua. Lábios úmidos, famintos e indecisos entre a vontade de dizer e a urgência de sentir, braços em laços que teimavam em virar nó, na ânsia de abafar aquela saudade mortífera que nos assolava e, nessa dança de amantes, inventando ritmos no vai e vem contínuo, atravessamos espaços e mundos para, em êxtase e exaustos, adormecermos como se fôssemos apenas um ser, que é o que somos em alma, e não sentirmos o dia amanhecer. Vieram os primeiros raios de sol para nos lembrar que hoje ainda teríamos um dia todo juntos e uma data especial para comemorar...”

...